sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Questões Brasil Colonia



QUESTÕES DE CONCURSOS     BRASIL COLÔNIA

Bons estudos!
Prof. Guedes





Questão 1
(UFPE) Em relação às conseqüências do domínio espanhol sobre Portugal, que durou 60 anos – de 1580 a 1640, analise as proposições abaixo:
1.A França, inimiga da Espanha, ocupou Pernambuco, área de atuação dos portugueses;
2.As relações comerciais dos portugueses com a Ásia sofreram grandes perdas;
3.Portugal, para enfrentar a crise, tornou-se dependente da Holanda, assinando com esta o tratado da Paz de Olanda;
4.A marinha portuguesa foi quase aniquilada e Portugal subordinou-se à Inglaterra assinando com esta nação vários tratados;
5.Portugal centralizou a administração colonial e estabeleceu monopólios na economia.
Estão corretas:
a) 2, 3, 4
b) 3, 4, 5
c) 1, 2, 3
d) 2, 4, 5
e) 1, 3, 5

Questão 2
(UERJ) Um dos principais problemas brasileiros da atualidade é a questão da concentração da propriedade da terra. Os meios de comunicação de massa (rádio, televisão, jornal) trazem, todos os dias, matérias sobre invasões promovidas por camponeses sem-terra, mas a falta de terra para quem realmente trabalha nela não é um problema atual.
Um instrumento de distribuição de terra do período colonial que comprova a longa duração deste problema no Brasil é:
a) o Regimento Geral
b) a Carta de Sesmaria
c) os Tratados de Saragoça
d) o Tratado de Tordesilhas

Questão 3
(FESP) Assinale a alternativa incorreta.
a) A dominação holandesa no Brasil trouxe concepções de mundo diferentes que se chocavam com o catolicismo predominante na colonização portuguesa.
b) As disputas pelo mercado de açúcar foram decisivas para que os holandeses invadissem o Brasil.
c) Portugal não demonstrou interesse em expulsar os holandeses do Brasil, mesmo depois do término da União Ibérica.
d) Recife conseguiu um crescimento significativo com a administração holandesa, chegando seus habitantes a enfrentar problemas de falta de moradia.
e) Apesar das diferenças, holandeses e portugueses tinham a visão do colonizador que se preocupava em aumentar suas riquezas.

Questão 4
(FESP) As chamadas Províncias Unidas, entre elas a Holanda, conheceram um grande desenvolvimento econômico, o que contribuiu para o surgimento da crença de uma suposta superioridade do colonizador holandês em relação ao português.
Indique, entre as afirmativas, as que evidenciam um comportamento mais avançado dos holandeses durante a ocupação do Nordeste brasileiro no século XVII.
1. A indulgência com que trataram os negros escravos, modificando-se, a partir da invasão, as relações de produção nas capitanias ocupadas. 2. A vinda, ao Brasil, de cientistas, dentre eles médicos, astrônomos, cartógrafos, preocupados em desvendar a realidade da colônia. 3. A habilidade política demonstrada por Nassau no trato com os colonos e incorporada prontamente pelos seus sucessores. 4. Uma relativa tolerância religiosa, permitindo a vinda de judeus que fundaram Sinagoga no Recife e a permissão para a continuidade do culto católico, se bem que realizado de forma discreta. 5. O incentivo ao barroco já que foram os invasores os construtores das mais belas Igrejas de Olinda e Recife.
Assinale a opção correta:
a) 2 4
b) 1 3
c) 4 5
d) 1 2
e) 3 5

Questão 5
(FESP) A crise do sistema colonial foi marcada no Brasil por contestações diversas que comprovam as aspirações de liberdade do nosso povo. Entre as revoltas podemos destacar as Conjurações Mineira e Baiana que tiveram em comum:
1. O fundamento ideológico apoiado nos princípios do Iluminismo e de Revolução Francesa. 2. A proposta de extinção dos privilégios de classe ou cor, abolindo a escravidão. 3. A inquietação e revolta pela eminente cobrança de impostos em atraso. 4. A discriminação social evidenciada na aplicação da justiça. 5. A numerosa participação popular caracterizada pela presença de negros e mulatos.
Assinale a opção correta:
a) 1 3
b) 2 4
c) 3 5
d) 1 4
e) 2 5

Questão 6
(FUVEST) No Brasil colonial, a escravidão caracterizou-se essencialmente.
a) Por sua vinculação exclusiva ao sistema agrário exportador.
b) Pelo incentivos da Igreja e da Coroa à escravidão de índios e negros.
c) Por estar amplamente distribuída entre a população livre, constituindo a base econômica da sociedade.
d) Por destinar os trabalhos mais penosos aos negros e os mais leves aos índios.
e) Por impedir a imigração em massa de trabalhadores livres para o Brasil.

Questão 7
(FUVEST) A chamada Guerra dos Mascates, ocorridas em Pernambuco em 1710, deveu-se:
a) ao surgimento de um sentimento nativista brasileiro, em oposição aos colonizadores portugueses
b) ao orgulho ferido dos habitantes da vila de Olinda, menosprezados pelos portugueses.
c) ao choque entre comerciantes portugueses do Recife e a aristocracia rural de Olinda pelo controle da mão-de-obra escrava.
d) ao choque entre comerciantes portugueses do Recife e a aristocracia rural de Olinda cujas relações comerciais eram, respectivamente, de credores e devedores.
e) a uma disputa interna entre grupos de comerciantes, que eram chamados depreciativamente de mascates.

Questão 8
(FUVEST) Podemos afirmar sobre o período da mineração no Brasil que:
a) atraídos pelo ouro, vieram para o Brasil aventureiros de toda espécie, que inviabilizavam a mineração.
b) a exploração das minas de ouro só trouxe benefícios para Portugal.
c) a mineração deu origem a uma classe média urbana que teve papel decisivo na independência do Brasil.
d) o ouro beneficiou apenas a Inglaterra, que financiou sua exploração.
e) a mineração contribuiu para interligar as várias regiões do Brasil, e foi fator de diferenciação da sociedade.

Questão 9
(CESGRANRIO) O desenvolvimento da economia mineradora no século XVIII teve diferentes repercussões sobre a vida colonial, conforme se apresenta caracterizado numa das opções abaixo. Assinale-a.
a) Incremento do comércio interno e das atividades voltadas para o abastecimento na região centro-sul.
b) Movimento de interiorização conhecido como bandeirismo, responsável pelo fornecimento de mão-de-obra indígena para as minas.
c) Descentralização da administração colonial para facilitar o controle da produção.
d) Sufocamento dos movimentos de rebelião, graças à riqueza material gerada pelo ouro e pela prata.
e) Retorno em massa, para a metrópole, dos colonos enriquecidos pela nova atividade.

Questão 10
(CESGRANRIO) Assinale, entre as opções abaixo, a que apresenta uma característica da organização da sociedade colonial brasileira.
a) Predomínio de uma ampla camada de pequenos proprietários ligados à economia de abastecimento.
b) Escravidão, que constituía seu principal elemento e na qual se baseava todo o funcionamento da economia colonial.
c) Servidão indígena, largamente difundida no interior, principalmente após a expansão paulista.
d) Ausência de um setor social ligado ao comércio, que era controlado pelos estrangeiros.
e) Crescente ampliação das camadas de homem livres, ocupados em todos os setores da economia colonial.

Questão 11
(PUC-MG) Especialmente no primeiro século de colonização do Brasil, a mão-de-obra utilizada foi a indígena, sobre a qual é correto afirmar, EXCETO:
a) inicialmente o escambo com os índios atendeu aos interesses portugueses, em particular, na extração do pau-brasil.
b) a legislação metropolitana variou bastante ao longo dos séculos, estabelecendo restrições à escravização do indígena.
c) os índios cristãos, oriundos das "reduções jesuíticas", ficaram completamente a salvo da exploração dos colonizadores.
d) as "expedições de apresamento", realizados pelos bandeirantes paulistas, objetivavam a caça ao índio.
e) as "guerras justas", autorizadas pela Coroa, eram justificadas pelos portugueses como de legítima defesa contra tribos antropofágicas.

Questão 12
(CESGRANRIO) Assinale a opção cujo conteúdo está ligado à concretização da emancipação política do Brasil, em 1822.
a) Reforço da política de monopólios adotada pelo governo de D. João no Brasil.
b) Apoia do rei aos setores liberais da colônia, como no caso da Revolução Pernambucana.
c) Política recolonizadora do Brasil adotada pela cortes portugueses.
d) Desdobramento da Revolução Liberal do Porto na colônia.
e) Reação das elites coloniais à permanência do Príncipe Herdeiro de Portugal na colônia.

Questão 13
(PUC-CAMP) Os Governos Gerais foram instituídos como a única solução político-administrativa viável para a colonização efetiva do Brasil, na segunda metade do século XVI, porque:
a) a instituição do sistema, em 1548, suprimiu definitivamente a divisão da Colônia em Capitanias Hereditárias.
b) o Governo Geral representava a centralização político-administrativa da Colônia, que se tornava imperativa, pelo sucesso da maioria das Capitanias Hereditárias.
c) o risco crescente, criado com a autonomia excessiva das Capitanias Hereditárias, levou o Estado Metropolitano a organizar o Governo Geral para substituí-las.
d) o Governo centralizado na Colônia correspondia melhor à definição absolutista do próprio governo metropolitano.
e) o Governo Geral constituía-se, em nível político, como um regime descentralizado e, em nível econômico, como uma grande empresa particular, estando à sua frente o Governador, o único responsável pelo investimento inicial e pelo incentivo à produção.

Questão 14
(PUC-CAMP) A transmigração da família real portuguesa para o Brasil em 1808, repercutiu de forma significativa, no que se refere à participação do Brasil no mercado mundial, porque:
a) organizou-se uma legislação visando à contenção das importações de artigos supérfluos que naquela época começavam a abarrotar o porto do Rio de janeiro.
b) o Ministério de D. João colocou em execução um projeto de cultivo e exportação do algodão visando a substituir a exportação norte-americana, prejudicada pela Guerra de independência.
c) o tráfico de escravos negros para o Brasil foi extinto em troca do direito dos comerciantes portugueses abastecerem, com exclusividade, algumas das colônias inglesas, como a Guiana.
d) o corpo diplomático joanino catalisou rebeliões na Província Cisplatina, favorecendo assim, a exportação de couro sulino para a Europa.
e) foi promulgada a Abertura dos Portos e realizados Tratados com a Inglaterra.

Questão 15
(FESP) As colonizações portuguesa e espanhola utilizaram-se da mão-de-obra escrava para efetivar seus projetos de ocupação das terras conquistadas. No Brasil, a mão escrava teve participação importante nas atividades mais rentáveis, com destaque especial para:
a) a mineração;
b) a cana-de-açúcar;
c) o café;
d) o fumo;
e) o algodão;

Questão 16
(UFPE) Leia o trecho da Carta de Padre Antônio Vieira ao Padre Provincial dos Jesuítas em 1635 e depois assinale a alternativa que interpreta historicamente os interesses do Estado português, dos colonos, e dos padres jesuítas na colonização.
"...Na primeira carta disse a V. Reva a grande perseguição que padecem os índios, pela cobiça dos portugueses em os cativarem ... O modo como esses índios recebiam os portugueses era ordinariamente de paz ... E perguntando eu a um dos cabos desta entrada como se haviam com eles me respondeu com grande desabafo e paz de alma: 'a esses davámos-lhe uma carga cerrada, caíam uns, fugiam outros entrávamos nas aldeias e tomávamos aquilo que havíamos mister' ... Todos estes latrocínios e homicídios se toleram em um reino tão católico como Portugal ... .
Estão são, Padre Provincial as notícias que posso dar a V. Reva desta conquista do Maranhão de onde faço esta. Antônio Vieira". Responda a resposta correta.
a) O estado português queria fazer do índio um súdito, os colonos reduzi-los ao trabalho escravo e os jesuítas convertê-los à fé cristã e utilizá-los como mão de obra.
b) O Estado português desejava o extermínio da raça para que os colonos pudessem transferir populações africanas para a América e os jesuítas estimulavam a escravidão indígena.
c) A coroa portuguesa aliada aos franceses iniciou o processo de aculturação e desmantelamento das nações indígenas para facilitar o trabalho dos colonos.
d) Os jesuítas, cumprindo ordens da metrópole, isolaram os índios em missões, no litoral, facilitando o aprisionamento deles pelos colonos para quem o índio bom era o índio morto".
e) Os colonos utilizaram os jesuítas na escravidão dos gentios e o Estado português, em compensação, distribuiu sesmarias somente às ordens religiosas que haviam participado da conquista.

Questão 17
(VUNESP) "Foi assim possível dispor um segundo ataque ao Brasil, desta vez contra uma capitania mal aparelhada na sua defesa, mas a principal e a mais rica região produtora de açúcar do mundo de então. Existiam aí, e nas capitanias vizinhas, mais de 130 engenhos que, nas melhores safras, davam mais de mil toneladas do produto." (J. A. Gonsalves de Mello.)
O texto refere-se à
a) Guerra dos mascates.
b) invasão francesa.
c) invasão holandesa.
d) Revolta de Beckman.
e) invasão inglesa.

Questão 18
(UFRRJ) Examine o texto.
"À Angola se mandam naus com muitas fazendas, que de lá tornam carregadas de escravos, por que se comutam, deixando grande proveito aos que nisto negociam: e ainda as naus, que para lá navegam em direção ao Reino, aportam na capitania do Rio de Janeiro, aonde carregam de farinhas, mantimento da terra, por ali se achar mais barata, a qual levam a vender à Angola a troco de escravos e de marfim que de lá trazem em muita quantidade."
(Diálogos das Grandezas do Brasil)
O texto acima, do final do século XVI, menciona características importantes da organização da economia colonial como a utilização do trabalho escravo. A estrutura econômica do sistema colonial é mais bem explicada,
a) pelo fim do regime de monopólios.
b) pelas colônias de povoamento.
c) pelo pacto colonial.
d) pela expansão do capital industrial.
e) pelo trabalho compulsório indígena.

Questão 19
(PUC-MG) Associando as colunas, NÃO há correspondência para:
( ) desenvolveu-se na Região Sudeste, especialmente em Minas Gerais no século XVIII.
( )interiorizou-se pelo território brasileiro, servindo de importante fonte de abastecimento interno. 
( ) seu crescimento, particularmente no Nordeste do Brasil, nos séculos XVI ao XVIII, gerou lucros altíssimos para Portugal.
( ) tornou-se o grande produto de exportação do Brasil no século passado.
a) café
b) mineração
c) açúcar
d) pecuniária
e) pau-brasil

Questão 20
(UFES) As transformações econômicas e socioculturais observadas no século XVIII repercutiam na população do Brasil Colonial, onde eclodiam revoltas sociais regionais e manifestações de aspiração emancipacionista. Foram manifestações sociais e políticas observadas nesse período:
a) a Insurreição Pernambucana, a aclamação de Amador Bueno e a Revolta de Beckmann.
b) as Guerras dos Emboabas e dos Mascates e as Conjurações Mineira, Fluminense e Baiana.
c) as Guerras dos Emboabas e dos Mascates, a Revolta de Vila Rica, a Inconfidência Mineira, a Revolta dos Alfaiates e a Conjuração dos Suaçunas.
d) a Conjuração dos Suaçunas, a Revolta Pernambucana e a Confederação do Equador.
e) a Revolta do Maneta, a Guerra dos Palmares, a Inconfidência Mineira e a Revolução Farroupilha.

Questão 21
(UFMG) Leia o texto abaixo.
"... Não castigar os excessos que eles [os escravos] comentem seria culpa não teve, porém estes [senhores] não de averiguar antes, para não castigar inocentes, e se não ouvir os delatados e, convencidos, castigar-se-ão com açoites moderados ou com os meterem em uma corrente de ferro por algum tempo ou tronco. Castigar com ímpeto, com ânimo vingativo, por mão própria e com instrumentos terríveis e chegar talvez aos pobres com fogo ou lacre ardente, ou marcá-los na cara, não seria para se sofrer entre os bárbaros, muito menos entre os cristãos católicos."
(ANTONIL, André João. Cultura e Opulência do Brasil, 1711.)
Esse texto, escrito por um padre jesuíta em 1711, pode ser relacionado à
a) associação entre a escravidão e a moral cristã.
b) condenação dos castigos aplicados aos escravos.
c) oposição do clero católico à escravidão.
d) regulamentação das relações entre senhores e escravos.


Questão 23
(UFES) As críticas econômicas ao trabalho escravo e a esse rentável comércio de seres humanos já eram apresentadas desde o final do século XVIII e repercutiram na Inglaterra, onde, em 1807, foi abolido o tráfico de escravos para as colônias britânicas. A respeito da política antitráfico, enquanto processo de transição para o trabalho livre no Brasil, pode-se afirmar que:
a) teve início a partir de exigências externas, com a assinatura dos tratados de 1810 entre Portugal e Inglaterra e, após o "Bill Aberdeen", culminou com a aprovação das Leis Eusébio de Queiroz e Nabuco de Araújo.
b) se iniciou com as exigências apresentadas por Talleyrand, no Congresso de Viena, para a instituição do Reino do Brasil.
c) teve início no Brasil como exigência dos fisiocratas, para o desenvolvimento do mercado interno e da atividade manufatureira, considerada como a única fonte produtora de riqueza.
d) foi introduzida no Brasil como tese econômica defendida pelo romantismo revolucionário ou liberal, que se baseava em princípios humanitários defendidos por Alves Branco, Eusébio de Queiroz, Joaquim Nabuco e Castro Alves.
e) resultou na abolição do tráfico negreiro, graças à nova política alfandegária formulada por Alves Branco, que sobretaxou o ingresso de escravos, tornando o seu valor comercial excessivamente elevado.
Questão 24
(CESGRANRIO) No século XVII, as invasões do nordeste brasileiro pelos holandeses estavam relacionadas às mudanças do equilíbrio comercial entre os países europeus porque:
a) a Holanda apoiava a união das monarquias ibéricas.
b) a aproximação entre Portugal e Holanda era uma forma de os lusos se liberarem dá dependência inglesa.
c) as Companhias das Índias Orientais e Ocidentais monopolizavam o escambo do pau-brasil.
d) os holandeses tinham grandes interesses no comércio do açúcar.
e) Portugal era tradicionalmente rival dos holandeses nas guerras européias.
Questão 25
(CESGRANRIO) A formação do território no período colonial resultou de vários movimentos expansionistas e foi consolidada por tratados no século XVIII.
Assinale a opção que relaciona corretamente os movimentos de expansão com um dos Tratados de Limites.
a) A expansão da fronteira norte, impulsionada pela descoberta das minas de ouro, foi consolidada nos Tratados de Utrecht.
b) A região missioneira no sul constituiu um acaso à parte, só resolvido a favor de Portugal com a extinção da Companhia de Jesus.
c) O Tratado de Madri revogou o de Tordesilhas e deu ao território brasileiro conformação semelhante à atual.
d) O tratado do Pardo garantiu a Portugal o controle da região das Missões e do rio da Prata.
e) Os Tratados de Santo lidefonso e Badajós consolidaram o domínio português no sul, passando a incluir a região platina.
Questão 26
(CESGRANRIO) A transferência da corte portuguesa para o Brasil, em 1808, acelerou transformações que favoreceram o processo de independência. Entre essas transformações, podemos citar corretamente a(s):
a) ampliação do território com a incorporação definitiva de Caiena e da Cisplatina.
b) implantação, na colônia, de vários órgãos estatais e de melhoramentos como estradas.
c) redução da carga tributária sobre a colônia, favorecendo-lhe a expansão econômica.
d) política das Cortes portuguesas de apoio à autonomia colonial.
e) restrições comerciais implantadas por interesse dos comerciantes portugueses.

Questão 27
(PUC-RJ) Com relação à ação da Igreja Católica e dos jesuítas no Brasil colonial, considere as seguintes afirmações:
I. Enquanto no Brasil os jesuítas tiveram plena autonomia para as suas realizações missionárias e administrativas, em outras colônias portuguesas a Igreja se submeteu ao poder monárquico através do Padroado.
II. Os jesuítas, em suas atividades missionárias, promoveram aldeamentos dos indígenas, ensinaram os mandamentos católicos, pretenderam organizá-los em um novo tipo de vida social.
III. Para controlar hábitos e costumes da população católica, os bispados locais organizaram visitas pastorais, assim como o Estado Português enviou, para o Brasil, as Visitações do Santo Ofício.
IV. As relações entre a Igreja e os colonos não foram pacíficas. No interior da grande propriedade os capelães reagiam constantemente contra os maus tratos aos negros escravizados, culminando com a expulsão dos primeiros no século XVII.
Assinale a alternativa que contém a(s) afirmativa(s) correta(s):
a) somente II III;
b) somente II;
c) somente III IV;
d) somente I, II IV;
e) todas as afirmativas estão corretas.

Questão 28
(PUC-RJ) Carta de sesmaria concedida em 9 de julho de 1747 ao padre Marcos de Carvalho:
"Comarca de Vila de São João Del Rei distante da estrada real da dita vila mais de quarenta léguas, que ele suplicante tinha quarenta e tantos escravos de serviços, com os quais andava minerando e pagava os reais quintos e lhes eram necessárias bastante terras para plantarem mantimentos para sustentar seus escravos e criações assim de gados como das mais que lhe eram precisas."
Considere as seguintes afirmações:
I. O domínio português no Brasil se expressava, entre outros, no monopólio de concessão de terras e na cobrança de tributos que, no caso da extração mineral, chegava a 20% - o quinto.
II. Assim como em Pernambuco ou na Bahia, regiões de agricultura mercantil, a terra, nas regiões minerais, era concedida com primazia aos proprietários de escravos.
III. A agricultura na região das Minas no século XVIII, diferentemente do que ocorria na grande lavoura litorânea, destinava-se principalmente à subsistência ou ao mercado interno daquela região.
IV. Na primeira metade do século XVIII, as atividades agrícolas ganharam relevância na região mineira, disputando as melhores terras com a atividade mineradora.
Assinale a alternativa que contém a(s) afirmativa(s) correta(s):
a) somente I;
b) somente II;
c) somente III IV.
d) somente I, II III;
e) todas as afirmativas estão corretas.

Questão 29
(FESP) As análises históricas sobre a colonização portuguesa tendem a ressaltar mais os aspectos econômicos, sendo poucas as menções à vida cultural existente na colônia nos seus primeiros séculos de existência. Podemos afirmar que:
a) as análises estão corretas, pois a vida cultural na colônia não existia;
b) foi marcante a presença dos padres jesuítas com seu trabalho de catequese junto aos índios;
c) os povos da terra não resistiram culturalmente ao assédio português, assédio este baseado apenas na violência física;
d) os portugueses tiveram êxito no convencimento dos povos dominados, conseguindo apagar definitivamente os vestígios culturais indígenas e africanos;
e) as análises enfatizavam a economia, porque os portugueses não demostraram interesse em fazer prevalecer suas manifestações culturais.

Questão 30
(PUC-MG) RESPONDA A QUESTÃO SEGUINTE COM BASE NO ESQUEMA ABAIXO.
Refere-se ao período de vigência da escravidão no Brasil:
I. O escravo africano foi a mão-de-obra fundamental da economia, do século XVII ao XIX, utilizado nas tarefas agrícola, urbana e doméstica.
II. Sendo considerado mercadoria, o preço do escravo variou de acordo com o sexo, idade e habilidade para o trabalho.
III. Alguns ofícios urbanos, como o de vendedores ambulantes, demandavam mobilidade de circulação dos escravos, inviabilizando a vigilância constante do feitor.
a) se apenas o item I estiver correto.
b) se apenas os itens I e II estiverem corretos.
c) se apenas os itens I e III estiverem corretos.
d) se apenas os itens II e III estiverem corretos.
e) se todos os itens estiverem corretos.

Questão 31
(UFF) "Os escravos são as mãos e os pés do senhor de engenho, porque sem eles no Brasil não é possível fazer, conservar e aumentar fazenda."
(Antonil, Cultura e Opulência do Brasil, 1711, Livro I, Capítulo, IX).
Assinale a opção que, baseada na citação do jesuíta Antonil, justifica corretamente os fundamentos da sociedade colonial.
a) A sociedade colonial se resumia ao mundo da casa-grande e da senzala, espaços fundamentais de um mundo rural mediado pelos engenhos açucareiros.
b) O ideal de sociedade colonial, segundo os inacianos, era o de uma sociedade de missões, o que explica a crítica do jesuíta Antonil à escravidão.
c) A estrutura social do Brasil Colônia era fundamentalmente escravista, uma vez que os setores essenciais da economia colonial, a exemplo da agro-manufatura do açúcar, dependiam do trabalho escravo, sobretudo dos africanos.
d) A sociedade escravista erigida na Colônia sempre foi condenada pelos jesuítas que, a exemplo de Antonil, desejavam ardorosamente que índios e africanos se dedicassem ao mundo de Deus.
e) A sociedade colonial possuía duas classes, senhores e escravos, pólos antagônicos do latifúndio ou da "fazenda" mencionada por Antonil.

Questão 32
(PUC-MG) A história da criança brasileira tem ainda muitas lacunas, no entanto, é CORRETO afirmar que:
a) a criança indígena é ignorada pela catequese dos jesuítas.
b) a criança branca, na época colonial, é acolhida e respeitada.
c) a criança escrava é geralmente privada da referência paterna.
d) a infância operária é preparada pelas escolas profissionais.
e) o fim do trabalho infantil é a bandeira do movimento sindical.

Questão 33
(PUC-MG) RESPONDA A QUESTÃO SEGUINTE COM BASE NO ESQUEMA ABAIXO.
Refere-se à mineração do século XVIII em Minas Gerais:
I. Inseriu-se na lógica mercantilista da época, atendendo aos interesses metalistas da Metrópole.
II. Foi mais "democrática" que a empresa açucareira do Nordeste, ao exigir, comparativamente, menor investimento de capital.
III. Demandou uma estrutura burocrático-administrativa mais complexa de cunho fiscal e tributário.
a) se apenas a afirmação I estiver correta.
b) se apenas as afirmações I e II estiverem corretas.
c) se apenas as afirmações I e III estiverem corretas.
d) se apenas as afirmações II e III estiverem corretas.
e) se todas as afirmações estiverem corretas.

Questão 34
(PUC-MG) RESPONDA A QUESTÃO SEGUINTE COM BASE NO ESQUEMA ABAIXO.
Refere-se ao processo de substituição da força de trabalho indígena pela do africano no período colonial no Brasil:
I. A resistência e a dizimação dos índios reduziram numericamente a população nativa.
II. O tráfico negreiro constituiu importante fator de acumulação primitiva de capital.
III. A maior adaptação do africano à escravidão propiciou menor resistência à dominação do branco.
a) se apenas a afirmação I estiver correta.
b) se apenas as afirmações I e II estiverem corretas.
c) se apenas as afirmações I e III estiverem corretas.
d) se apenas as afirmações II e III estiverem corretas.
e) se todas as afirmações estiverem corretas.

Questão 35
(FMU) "Apesar de ter sido uma atividade subsidiária daquela que se desenvolvia com vistas à exportação, foi responsável pelo desbravamento de extensas parcelas do nordeste colonial brasileiro". O texto refere-se à
a) extração do pau-brasil
b) exploração das drogas do sertão
c) exploração aurífera
d) prática da pecuária
e) agricutura canavieira

Questão 36
(PUC-RJ) "Povos e povos indígenas desapareceram da face da terra como conseqüência do que hoje se chama, num eufemismo envergonhado, `o encontro' de sociedades do Antigo e do Novo Mundo."
(Manuela Carneiro da Cunha (org). História dos índios no Brasil. 2ª ed. São Paulo, Cia das Letras, 1998. p. 12)
A chegada dos europeus no que veio a ser por eles denominado de América, ocasionou o encontro entre sociedades que se desconheciam. No caso dos que estavam a serviço da Coroa de Portugal, o encontro formalizou contatos, confrontos, alianças com tribos nativas litorâneas, grande parte de origem tupi. Acerca desse encontro entre portugueses e tupis nas terras que vieram a ser chamadas de Brasil, é correto afirmar que:
a) entre 1500 e 1530, os contatos foram pacíficos e amistosos, facilitando o estabelecimento das práticas de escambo do pau-brasil e o surgimento dos primeiros aldeamentos organizados por jesuítas.
b) a partir de 1555, a tentativa de huguenotes franceses de criar uma colônia - a França Antártica -, na baía de Guanabara, acabou por favorecer alianças militares de portugueses com as tribos locais, tamoios e tupinambás, suspendendo a escravização dos indígenas.
c) as intenções de colonizadores portugueses - "expandir a fé e o Império" - bem como suas práticas colonizadoras - doação de sesmarias, estímulos ao cultivo da cana, catequese dos nativos -, transformaram o encontro em um desastre demográfico para as tribos tupis do litoral.
d) os rituais antropofágicos praticados pelos tupis, ao lado das rivalidades constantes entre as tribos, foram fatores que contribuíram para a predominância de choques militares com os portugueses, tornando inevitáveis, por sua vez, a ocorrência de guerras justas.
e) o desconhecimento por parte dos nativos de qualquer tipo de agricultura foi o principal obstáculo para a utilização de sua mão-de-obra no estabelecimento da lavoura canavieira; isso somado à resistência à catequese ocasionou confrontos constantes entre portugueses e tupis.

Questão 37
(PUC-RS) INSTRUÇÃO: Responder à questão com base no texto abaixo.
21 de janeiro de 1822 – Fui à terra fazer compras com Glennie. Há muitas casas inglesas, tais como seleiros e armazéns, de secos e molhados; mas, em geral, os ingleses aqui vendem as suas mercadorias em grosso a retalhistas nativos ou franceses. Quanto a alfaiates, penso que há mais ingleses do que franceses, mas poucos de uns e outros. Há padarias de ambas as nações (...). As ruas estão, em geral, repletas de mercadorias inglesas. A cada porta as palavras Superfino de Londres saltam aos olhos: algodão estampado, panos largos, (...), mas, acima de tudo, ferragens de Birmingham, podem-se obter um pouco mais caro do que em nossa terra nas lojas do Brasil, além de sedas, crepes e outros artigos da China. Mas qualquer cousa comprada a retalho numa loja inglesa ou francesa é, geralmente falando, muito cara.
( GRAHAM, Maria. Diário de uma viagem ao Brasil. São Paulo: Edusp, 1990).
O texto acima, de Maria Graham, uma inglesa que esteve no Brasil em 1821, remete-nos a um contexto que engloba
a) os efeitos da abertura dos portos e dos tratados de 1810.
b) o processo de globalização da economia no Brasil.
c) as reformas econômicas do Marquês de Pombal.
d) a suspensão do Tratado de Methuen, com a ampliação da influência inglesa no Brasil.
e) os efeitos da mineração, que contribuíram para interligar as várias regiões do Brasil ao Exterior. 

Questão 38
(UFRN) No período da União das Coroas Ibéricas (dominação espanhola), ocorreram algumas transformações político-administrativas em Portugal e no Brasil. Em relação ao Brasil, a mais significativa delas foi a criação do Estado do Maranhão (1621), separado do Estado do Brasil.
O objetivo fundamental dessa divisão foi:
a) Acabar com os conflitos em áreas disputadas por espanhóis e portugueses.
b) Melhorar os contatos da Metrópole com a região norte da Colônia, defendendo-a dos ataques de franceses, ingleses e holandeses.
c) Reduzir os impostos que recaíam sobre as populações do norte e nordeste.
d) Transferir a capital do Estado do Brasil para o Rio de Janeiro, impedindo a ação de contrabandistas de ouro naquela região.

Questão 39
(UFPE) "Construtores épicos do Brasil", "raça de gigantes" são algumas das expressões usadas para identificar os bandeirantes, em virtude do desbravamento de terras que empreenderam no interior.
Analise o que se afirma em relação a eles:
1. Atuaram como heróis civilizadores no sertão bruto onde disputaram a terra com indígenas selvagens e incultos;
 2. Provinham de uma região economicamente secundária da Colônia e buscavam, nas Bandeiras, uma alternativa de sobrevivência.
 3. Destruíram as missões fundadas pelos jesuítas, alegando que os religiosos não respeitavam os valores culturais dos indígenas;
 4. Eram oriundos de regiões fornecedores de grandes riquezas para a metrópole, podendo, por esta razão, dedicar-se à conquista de territórios para Portugal;
5. Foram sempre violentos no trato com os índios, mas seus defensores argumentavam que a violência era própria da época.
Estão corretas as afirmativas:
a) 1 3;
b) 2 5;
c) 4 3;
d) 1 2;
e) 4 5.

Questão 40
(UFES) No período do Brasil Colônia, existiam mecanismos de acesso à terra, como as sesmarias, que eram:
a) autorizações de Portugal para importação de escravos negros como condição para que os filhos de donatários tivessem direito ao recebimento de terras.
b) lotes de terra doados pelos donatários ao colono para que fossem explorados.
c) impostos correspondentes ao uso da terra, cujo pagamento possibilitaria posterior aluguel.
d) parcelas de recursos que a Coroa enviava aos donatários para financiar a distribuição das terras e que deveriam ser pagas a longo prazo.
e) títulos de terra ocupada mediante mecanismo de compra, conforme a Lei de Terras.

Questão 41
(UFSCAR) A crise da economia mineira e a nova conjuntura internacional, na segunda metade do século XVIII, refletiram no Brasil, contribuindo para
a) o retorno da monocultura da cana-de-açúcar, aproveitando-se da capacidade ociosa dos engenhos nordestinos.
b) o desenvolvimento de manufaturas de tecido de algodão, estimulado pela política reformista do Marquês de Pombal.
c) a diversificação econômica, entrando na pauta de exportação da colônia produtos como algodão, tabaco, cacau, couro.
d) a emergência da monocultura do café, produto de fácil cultivo e de aceitação crescente nos mercados exteriores.
e) o aparecimento de centros econômicos na região amazônica, devido à exportação da borracha para as nações industrializadas.

Questão 42
(UFMG) Sobre a economia do período colonial, é correto afirmar que:
a) a economia aurífera se caracterizou pela imobilidade social, bipolarizada entre o senhor e o escravo.
b) a pecuária se baseou na criação intensiva, assentada no latifúndio exportador e no trabalho escravo.
c) a produção colonial foi orientada para a exportação de gêneros para o mercado externo.
d) a produção açucareira fixou a população no litoral e criou uma expressiva camada média.

Questão 43
(UFPB) A escravidão, inicialmente dos índios e posteriormente dos negros africanos, foi um fator decisivo para a implantação da grande lavoura canavieira no Brasil. Por isso, em plena Idade Moderna, de acordo com a mentalidade colonialista, justificava-se a escravidão com o(s) seguinte(s) argumento(s):
I.Os índios eram criaturas bestiais, antropófagas, supersticiosas e desprovidas de razão e da fé cristã, portanto, sujeitos ao domínio civilizatório da Europa.
II.A escravidão era imprescindível à formação do Brasil, pois os escravos eram os "pés" e as "mãos" dos senhores de engenho.
III.Os africanos, descendentes de Caim e amaldiçoados por Deus, deveriam sofrer no Brasil, purgando seus pecados, como forma de alcançar a salvação.
IV.O comércio de escravos e a propagação do cristianismo retiravam os africanos do estado de barbárie em que viviam, evitando que os mais fortes destruíssem os mais fracos em guerras tribais.
Dentre as afirmativas apresentadas, são verdadeiras:
a) apenas I, II, IV
b) apenas II, III, IV
c) apenas I, II, III
d) I, II, III e IV
e) apenas I, III, IV

Questão 44
(UFPB) No século XVII, a crise na empresa açucareira nordestina foi motivada pelo(a)
a) crescimento da produção antilhana, concorrência inglesa, expulsão dos holandeses.
b) desenvolvimento da pecuária, concorrência antilhana, queda do preço do açúcar nos mercados internacionais.
c) crescimento da produção antilhana, concorrência inglesa, fim do monopólio português.
d) descoberta do ouro nas Gerais, concorrência antilhana, desenvolvimento da pecuária.
e) queda do preço do açúcar nos mercados internacionais, concorrência antilhana, fim do monopólio português.

Questão 45
(UFMG) Leia o texto.
"Doenças, acidentes, deserções, combates com os índios iam dizimando paulatinamente a tropa. (...) Num dos momentos mais difíceis da aventura, o filho bastardo de Fernão, José Pais, compreendeu que a única maneira de retornar à casa seria matando o obstinado líder da bandeira. Mas Fernão descobriu a conspiração e quem morreu – enforcado à vista do arraial – foi José. E com ele seus companheiros de conjura."
(SANTOS, C Moreira dos. Jornal do Brasil, Caderno B, 27/04/1974.)
Assinale a alternativa que apresenta afirmação correta sobre as bandeiras que penetraram o sertão brasileiro no século XVII.
a) O caráter nômade e provisório das bandeiras impediu que elas iniciassem a fixação de população no interior.
b) A adversidade da natureza impediu que os bandeirantes dessem início a qualquer tipo de atividade de subsistência.
c) Os índios encontrados pelo caminho eram exterminados, quando impediam a captura de mão-de-obra negra e escrava.
d) Os bandeirantes paulistas, soltos no sertão bravio, muitas vezes usurpavam do Rei o poder que este lhes delegara.

Questão 46
(UFMG) Assinale a alternativa que apresenta uma transformação decorrente da vinda da família real para o Brasil.
a) Fechamento cultural, devido às Guerras Napoleônicas, provocado pela dificuldade de intercâmbio com a França, país que era então berço da cultura iluminista ocidental.
b) Diminuição da produção de gêneros para abastecimento do mercado interno, devido ao aumento significativo das exportações provocado pela Abertura dosPortos.
c) Mudança nas formas de sociabilidade, especialmente nos núcleos urbanos da região centro-sul, devido aos novos costumes trazidos pela Corte e imitados pela população.
d) Formação de novos parceiros comerciais, em situação de equilíbrio, decorrente da aplicação das novas taxas alfandegárias estabelecidas nos Tratados de Amizade e Comércio.

Questão 49
(PUC-RS)
A respeito da figura abaixo, pode-se afirmar que se refere
a) à Revolução Farroupilha e aos seus ideais separatistas, como se pode inferir do lema "LIBERDADE, AINDA QUE TARDE".
b) à Inconfidência Mineira e aos seus ideais de liberdade e de independência, representados na bandeira que virou símbolo dos inconfidentes.
c) aos movimentos bandeirantes, que buscavam romper as estreitas fronteiras da colônia, penetrando no interior do território brasileiro.
d) à Guerra Guaranítica, pela qual os índios missioneiros buscavam a libertação do domínio jesuítico, sendo conhecida pelo grito de guerra de Sepé Tiaraju: "LIBERDADE, AINDA QUE TARDE".
e) à Confederação do Equador, movimento que lutava pela libertação deste país do domínio brasileiro, como o lema acima deixa claro.

Questão 50
(PUC-RS) Pode-se afirmar que, nos primeiros trinta anos após o descobrimento do Brasil, ocorreu uma relativa negligência de Portugal com relação às terras brasileiras, que pode ser atribuída a vários fatores, exceto
a) a inexistência, na Colônia recém-descoberta, de uma estrutura produtiva já instalada, capaz de viabilizar sua exploração econômica segundo os padrões da política mercantilista.
b) a importância do comércio com o Oriente, que continuava a ser o principal objetivo da atividade mercantil de Portugal e atraía a ambição da burguesia lusa.
c) o acirramento das disputas entre as nações européias que se formavam em busca de novos mercados, resultando em incursões sistemáticas à América.
d) a constatação de que qualquer tentativa de aproveitamento produtivo do vasto território brasileiro implicaria gastos para a metrópole portuguesa.
e) a escassez de recursos humanos e materiais que permitissem a Portugal explorar ao mesmo tempo as Índias Orientais e o Brasil.

Questão 51
(PUC-MG) A partir de finais do século XVII, a atividade mineradora, desenvolvida em Minas Gerais, provocou transformações políticas e no conjunto da economia colonial no século XVIII. São exemplos dessas transformações, EXCETO:
a) alargamento da faixa de ocupação do território brasileiro.
b) transferência da sede administrativa de Salvador para o Rio de Janeiro em 1763.
c) concentração de mão-de-obra escrava em função da demanda dos centros mineradores.
d) estímulo ao surgimento do bandeirantismo, favorecendo o processo de interiorização.
e) incremento do comércio e ampliação do mercado interno.

Questão 52
(PUC-RS) Responder à questão 13, sobre o período pré-colonial brasileiro, com base no texto abaixo:
"... Da primeira vez que viestes aqui, vós o fizestes somente para traficar. (...) Não recusáveis tomar nossas filhas e nós nos julgávamos felizes quando elas tinham filhos. Nessa época, não faláveis em aqui vos fixar. Apenas vos contentáveis com visitar nos uma vez por ano, permanecendo, entre nós, somente durante quatro ou cinco luas [meses]. Regressáveis então ao vosso país, levando os nossos gêneros para trocá-los com aquilo que carecíamos."
(MAESTRI, Mário. Terra do Brasil: a conquista lusitana e o genocídio tupinambá. São Paulo: Moderna, 1993, p.86).
O texto acima faz alusão ao comércio quemarcou o período pré-colonial brasileiro
conhecido por
a) mita.
b) escambo.
c) encomienda.
d) mercantilismo.
e) corvéia.

Questão 53
(PUC-RS) Responder à questão com base nas afirmativas abaixo, sobre o período colonial brasileiro.
I. A sociedade açucareira pode ser vista como um exemplo típico do modo de produção colonial, sendo regulada pelas rígidas regras do "Pacto Colonial" e baseada no sistema de "plantation".
II. A sociedade mineradora representou o rompimento definitivo do "Pacto Colonial", pela crescente autonomia que o ouro proporcionava à Colônia, devido ao acúmulo de riquezas e aos investimentos no setor manufatureiro.
III. A produção de açúcar, durante o século XVIII, teve um crescimento significativo, devido à expulsão dos holandeses de Pernambuco e à descoberta do ouro, o que propiciou melhores condições e maiores recursos para investir na lavoura canavieira.
IV. A descoberta de ouro no Brasil colonial só foi possível em conseqüência da interiorização da colonização portuguesa, a partir dos movimentos bandeirantes, o que gerou importantes mudanças na sociedade colonial brasileira ao longo do século XVIII.
V. Mesmo após a descoberta do ouro, em fins do século XVII, a estrutura sócio-econômica do Brasil colonial manteve-se atrelada ao setor primário-exportador, sendo ainda a cana-de-açúcar um importante produto de exploração metropolitana.
A análise das afirmativas permite concluir que está correta a alternativa
a) I, II e III
b) I, IV e V
c) II, III e IV
d) II, IV e V
e) III, IV e V

Questão 54
(PUC-RS) Responder à questão com base no mapa abaixo, sobre a criação de gado no período colonial brasileiro.
A partir da observação do mapa, pode-se concluir que
a) a criação de gado era atividade exclusiva das regiões litorâneas do Brasil, sendo esse levado para a feira de Sorocaba, de onde partia para o mercado externo, grande consumidor de charque e couro.
b) a criação de gado se concentrava no norte do Brasil, devido à inadequação do solo e do clima desta região para o cultivo da cana-de-açúcar, não havendo integração com as demais áreas coloniais.
c) a região Sul do Brasil tinha na criação de gado uma importante fonte de renda, e levava seus derivados para serem comercializados na feira de Sorocaba, proporcionando uma integração econômica com a região mineradora.
d) a pecuária só se desenvolveu no Brasil colonial em função do ciclo canavieiro, tendo por único objetivo abastecer de carne e couro a população litorânea, carente destes produtos.
e) o gado criado no Rio Grande do Sul não tinha boa aceitação no mercado interno colonial, por seu alto custo, devido à enorme distância que separava o sul do sudeste minerador, além da concorrência da carne estrangeira, de melhor qualidade.

Questão 55
(PUC-RJ) Leia as afirmativas abaixo sobre a expedição de Pedro Álvares Cabral, que saiu de Lisboa em março de 1500:
I) A missão da esquadra era expandir a fé cristã e estabelecer relações comerciais com o Oriente, de modo a trazer as valiosas especiarias para Portugal; desta maneira, reunia num mesmo episódio os esforços da Coroa, da Igreja e dos grupos mercantis do Reino.
II) Chegar às Índias através de um caminho inteiramente marítimo só foi possível após o longo "périplo" realizado pelas costa africana, durante o século XV, por diversos navegadores portugueses, cujos expoentes foram Bartolomeu Dias e Vasco da Gama.
III) A viagem expressou a subordinação da Coroa portuguesa à Igreja Católica, na época dos descobrimentos, já evidenciada quando o Papa estabeleceu a partilha do Mundo Novo, em 1494, através do tratado de Tordesilhas.
IV) Era objetivo da viagem tomar posse de terras a Oeste, de modo a assegurar o controle do Oceano Atlântico Sul e, consequentemente, da rota marítima para as Índias.
Assinale a alternativa que contém as afirmativas corretas:
a) somente I, II e III.
b) somente I, III e IV.
c) somente II, III e IV.
d) somente I, II e IV.
e) todas as afirmativas estão corretas.

Questão 56
(PUC-RJ) Nas últimas décadas do século XVIII, ocorreram diversas manifestações de descontentamento em relação ao sistema colonial português na América. Essas manifestações geraram movimentos sediciosos, que chamamos de "Conjurações" ou "Inconfidências", todos abortados pela repressão metropolitana. Sobre eles, NÃO é correto afirmar:
a) A Conjuração Mineira, em 1789, foi a primeira a manifestar a intenção de ruptura com os laços coloniais, e reuniu diversos membros da elite mineradora.
b) A Conjuração Baiana, em 1798, também conhecida como "Revolta dos Alfaiates", congregou entre as lideranças dos revoltosos, mulatos e negros livres ligados às profissões urbanas, principalmente artesãos e soldados.
c) A Conjuração do Rio de Janeiro, em 1794, foi proveniente da Sociedade Literária do Rio de Janeiro, cujos membros, ao se reunirem para debater temas literários, filosóficos e científicos, defendiam concepções libertárias iluministas.
d) As conjurações foram influenciadas pelas experiências européia e norte-americana, que se difundiram nas regiões coloniais por meio de livros importados, de pasquins elaborados localmente e de discussões nas casas e ruas de Ouro Preto, Salvador ou Rio de Janeiro.
e) A influência externa se fez de modo distinto: enquanto a Conjuração Mineira tomou como exemplo o período do "Terror robespierrista" da Revolução Francesa, a Conjuração Baiana teve como paradigma os ideais expressos na Independência norte-americana.

Questão 57
(UFPB) No período de 1630 a 1654, a Companhia das Índias Ocidentais se apoderou de uma grande parcela do Nordeste brasileiro, período que ficou marcado pela figura do conde Maurício de Nassau. Constitui uma das características do governo de Nassau:
a) A vinda de vários cientistas e artistas, como Jorge Marcgrave, Willem Piso e Franz Post, que estudaram e representaram a natureza e a cultura do Brasil.
b) O início de um programa bem sucedido de miscigenação com índios e negros no Brasil, razão da grande presença de pessoas louras e de olhos azuis no Nordeste.
c) A política religiosa extremamente rígida, com a instalação de colégios para o ensino da religião protestante às crianças brasileiras e a proibição aos cultos realizados pelos judeus.
d) A busca de ouro e prata, realizada através de várias expedições dirigidas ao interior, principal interesse da Companhia no Brasil.
e) A execução de uma série de obras urbanas em Olinda, inclusive a construção de novas igrejas e conventos, tornando-a uma das cidades mais importantes de sua época.

Questão 58
(UFPE) Durante o governo pombalino ( 1750 – 1777), várias mudanças foram introduzidas em Portugal e, por conseqüência, no Brasil. Assinale a alternativa que informa corretamente algumas dessas transformações ocorridas no Brasil.
a) O Marquês de Pombal extinguiu o regime de capitanias, substituindo-as pelas donatarias administradas por particulares, sob o beneplácito régio.
b) O governo pombalino ampliou o Estado do Pará, que passou a englobar o Estado do Maranhão, constituindo-se no Estado do Grão-Pará e Maranhão.
c) O Estado do Brasil, que havia sido elevado à categoria de vice-reino, teve sua capital transferida de Salvador para o Rio de Janeiro, numa estratégia de controlar o escoamento da produção açucareira do Nordeste.
d) O comércio na colônia se organiza através da criação, pelo Marquês de Pombal, de duas companhias monopolistas: A primeira, a Companhia Geral do Comércio do Estado do Grão-Pará e Maranhão, e a segunda, a Companhia Geral do Comércio de Pernambuco e Paraíba.
e) Em 1757, foram publicadas leis referentes aos indígenas do Pará e Maranhão, mais tarde estendidas para toda a colônia. Essas leis implantavam a administração temporal dos padres nas missões.

Questão 59
(UFPE) Com relação ao predomínio do imperialismo inglês, definitivamente consolidado no Brasil pela assinatura de três tratados com a Grã-Bretanha em 1810, é INCORRETO afirmar que:
a) o ministério formado por D. João, ao chegar ao Brasil, era composto integralmente por partidários da aliança com a Inglaterra, entre eles o Conde de Linhares, D. Rodrigo de Sousa Coutinho, que ocupou a pasta da Guerra e Estrangeiros.
b) os tratados de 1810 vieram ratificar e ampliar as vantagens da Inglaterra no Brasil.
c) nos acordos de 1810, manifestou-se, pela primeira vez, o interesse britânico na abolição do tráfico negreiro para o Brasil.
d) nos tratados de 1810, há um indiscutível caráter de reciprocidade, dando-se todas as vantagens a Portugal no comércio com a Inglaterra.
e) o texto dos chamados "Tratados de Strangford" garantia a livre presença da marinha de guerra inglesa em portos brasileiros.
Questão 60
(UFRN) Sobre as Capitanias Hereditárias, sistema administrativo adotado no Brasil por iniciativa de D. João III, é correto afirmar:
a) O sistema já fora experimentado, com êxito, pelos portugueses em suas possessões nas ilhas atlânticas e marcou o início efetivo da colonização lusa no Brasil.
b) Os donatários tornavam-se proprietários das capitanias através da Carta de Doação, a qual lhes dava o direito de vendê-las, de acordo com seus interesses.
c) A maioria dos donatários era representante da grande nobreza de Portugal e demonstrava forte interesse pelo sistema de capitanias.
d) O fracasso do sistema é associado às lutas ocorridas na disputa pelas terras e aos conflitos com estrangeiros que freqüentavam as costas brasileiras.

Questão 61
(UFPE) Dentre as várias rebeliões de tendência liberal que eclodiram no Brasil, com vistas à sua emancipação política de Portugal, destaca-se, em Pernambuco, aquela que ficou conhecida como a "Revolução dos Padres". Indique a alternativa que corresponde ao movimento citado.
a) A Revolta dos Mascates.
b) A Confederação do Equador.
c) A Revolução de 1817.
d) A Revolução Praieira.
e) A Revolta dos Alfaiates.

Questão 62
(UFRN) As Conjurações Mineira e Baiana foram influenciadas pelas idéias surgidas, no séc. XVIII, na Europa e nos Estados Unidos.
Identifique a opção em que as duas Conjurações estão adequadamente caracterizadas

Conjuração Mineira      




Conjuração Baiana
a)
participação significativa da elite branca de Minas Gerais
participação de pobres, negros e mulatos da população urbana de Salvador

b)
participação significativa do clero e das camadas mais baixas da população
participação exclusiva das camadas populares

c)
participação exclusiva das camadas populares
participação, na sua quase totalidade, de membros do clero

d)
participação expressiva de populares articulados pela elite branca
participação significativa do alto clero, de intelectuais e de militares


Questão 63
(UFRN) No Brasil colonial, a ocupação holandesa da costa nordeste está inserida num contexto de disputa mercantilista entre as potências européias.
Nesse sentido, é correto afirmar que o Rio Grande do Norte,
a) mesmo sendo um pequeno produtor açucareiro, contribuiria com uma grande produção algodoeira, importante para as trocas mercantis.
b) apesar de sua produção açucareira pouco expressiva, foi tomado pelos holandeses para assegurar o controle estratégico da nova colônia.
c) por ter grandes rebanhos de gado, atraiu a cobiça de franceses e holandeses que disputavam o controle da pecuária bovina para o mercado europeu.
d) por sua posição geográfica privilegiada, interessava muito aos holandeses, pois facilitaria o apoio a seus navios no caminho para as Antilhas.

Questão 64
(PUC-MG) O TEXTO A SEGUIR FOI ESCRITO NO ANO DE 1576 PELO CRONISTA PORTUGUÊS PERO GANDAVO, QUE RESIDIU NO BRASIL COLONIAL. LEIA-O COM ATENÇÃO.
"Havia muitos destes índios pela Costa junto das Capitanias, tudo enfim estava cheio deles quando começaram os portugueses a povoar a terra; mas porque os mesmos índios se levantaram contra eles e faziam-lhes muitas traições, os governadores e capitães da terra destruíram-nos pouco a pouco e mataram muitos deles, outros fugiram para o sertão, e assim ficou a costa despovoada de gentio ao longo das capitanias. Junto deles ficaram alguns índios destes nas aldeias que são de paz, e amigos dos portugueses.
A língua deste gentio toda pela costa é, uma: carece de três letras ¾ não se acha nela F, nem L, nem R, cousa digna de espanto, porque assim não têm Fé, nem Lei, nem Rei; e desta maneira vivem sem justiça e desordenadamente.
Estes índios andam nus sem cobertura alguma, assim machos como fêmeas; não cobrem parte nenhuma de seu corpo, e trazem descoberto quanto a natureza lhes deu. (...). Não há como digo entre eles nenhum Rei, nem justiça, somente cada aldeia tem um principal que é como capitão, ao qual obedecem por vontade e não por força; (...) [e que] não castiga seus erros nem manda sobre eles cousa contra sua vontade".
(GANDAVO, Pero de Magalhães. Tratados da Terra do Brasil. História da província Sta Cruz. Belo Horizonte / São Paulo: Itatiaia/Edusp., 1980, p. 52-54)
Todas as afirmativas abaixo têm relação com o texto de Gandavo, EXCETO:
a) No início da colonização, os portugueses encontraram diversas tribos indígenas que habitavam o litoral.
b) A resistência do índio legitimou as "guerras justas", levando a sua captura e morte.
c) A aculturação do indígena foi feita pela catequese, tarefa exercida especialmente pelos jesuítas.
d) Na estrutura social indígena, o chefe exercia a autoridade e não poder de mando sobre a comunidade.
e) Dentre as formas de rebeldia do gentio, destacaram-se as fugas e o ataque às vilas coloniais.
Questão 65
(PUC-MG) A família patriarcal foi o modelo de organização social do Brasil colônia. Sobre ela, é correto afirmar, EXCETO:
a) A esposa deveria acatar as ordens do marido, administrar a casa e educar cristãmente os filhos.
b) O senhor poderia se servir sexualmente das escravas, consideradas "território do prazer".
c) O primogênito dividia o poder com o pai, pois aos homens cabiam as posições de mando.
d) As filhas eram educadas para reproduzir o papel da mãe como esposas servis e submissas.
e) A autoridade suprema era a do pai, a quem todos deviam respeito, obediência e subordinação.

Questão 66
(PUC-MG) RESPONDA À QUESTÃO DE ACORDO COM O TEXTO ABAIXO. O TEXTO, DO ANO DE 1612, REFERE-SE AO PERÍODO COLONIAL BRASILEIRO. LEIA-O COM ATENÇÃO.
"Os bens dos vassalos deste Estado são engenhos, canaviais, roças ou sementeiras, gados, lenhas, escravos, que são o fundamento em que se estriba essa potência [...] porém a [posse] dos escravos é a mais considerável porque dela depende o remédio de todos os outros.
Estes escravos hão de ser de guiné, vindos das conquistas ou comércios de Etiópia, ou hão de ser da própria terra, ou de uns e de outros.
[...] Os índios da terra, que parecem de maior facilidade, menos custo e maior número, como andam metidos com os religiosos aos quais vivem sujeitos [...] de maravilha fazem serviço, nem dão ajuda aos leigos, que seja de substância [...]".
(MORENO, Diogo de. Livro que dá razão do Estado do Brasil. Apud INÁCIO, Inês da C. e LUCA, Tania R. de. Documentos do Brasil Colonial. São Paulo. Ática, 1993, p. 62-63)
Todas as afirmativas que se seguem têm relação com o texto, EXCETO:
a) A mão-de-obra escrava foi indispensável para a produção de riquezas coloniais.
b) O tráfico negreiro foi responsável, em grande parte, pelo abastecimento de escravos na colônia.
c) A riqueza do colonizador media-se pelo volume de suas propriedades, incluindo os escravos.
d) A contribuição do trabalho dos indígenas foi mais substancial que o dos africanos.
e) Os aldeamentos facilitaram a exploração, ainda que mais amena, da força de trabalho do índio. 

Questão 67
(PUC-MG) RESPONDA À QUESTÃO DE ACORDO COM O TEXTO ABAIXO. O TEXTO, DO ANO DE 1612, REFERE-SE AO PERÍODO COLONIAL BRASILEIRO. LEIA-O COM ATENÇÃO.
"Os bens dos vassalos deste Estado são engenhos, canaviais, roças ou sementeiras, gados, lenhas, escravos, que são o fundamento em que se estriba essa potência [...] porém a [posse] dos escravos é a mais considerável porque dela depende o remédio de todos os outros.
Estes escravos hão de ser de guiné, vindos das conquistas ou comércios de Etiópia, ou hão de ser da própria terra, ou de uns e de outros.
[...] Os índios da terra, que parecem de maior facilidade, menos custo e maior número, como andam metidos com os religiosos aos quais vivem sujeitos [...] de maravilha fazem serviço, nem dão ajuda aos leigos, que seja de substância [...]".
(MORENO, Diogo de. Livro que dá razão do Estado do Brasil. Apud INÁCIO, Inês da C. e LUCA, Tania R. de. Documentos do Brasil Colonial. São Paulo. Ática, 1993, p. 62-63)
Assinale a afirmativa que sintetiza a lógica dos empreendimentos coloniais em relação ao trabalho:
a) A mão-de-obra indígena era mais facilmente obtida por ser menos dispendiosa e pela grande quantidade de índios disponíveis na própria colônia.
b) A necessidade de grandes contingentes de trabalhadores levou os portugueses a recorrerem ao trabalho indígena.
c) A questão da mão-de-obra foi um problema constante no período, conduzindo à escravização de índios e africanos.
d) A escravização do gentio constitui-se numa questão polêmica que contrapôs, freqüentemente, lavradores e missionários.
e) O trabalho compulsório mostrou-se o mais adequado ante as diretrizes mercantilistas de ocupação e exploração coloniais.

Questão 68
(PUC-MG) Na estrutura administrativa no Brasil colonial, as câmaras desempenharam importantes funções, tais como, EXCETO:
a) conservação das ruas, limpezas da cidade e arborização.
b) doação de sesmarias, comando militar e formação de milícias.
c) construção de obras públicas: estradas, pontes, calçadas e edifícios.
d) regulamentação dos ofícios, do comércio, das feiras e mercados.
e) abastecimento de gêneros e cultura da terra.

Questão 69
(UFPE) No Brasil, a Companhia de Jesus participou desde o século XVI da colonização. Sobre a participação dos jesuítas, neste período, é correto afirmar que:
a) Os jesuítas substituíram os capitães donatários depois da expulsão dos holandeses;
b) A Igreja e a Realeza portuguesa eram inimigas no século XVI, portanto a Realeza obliterou a ação dos jesuítas;
c) Os jesuítas atuaram em duas frentes: o trabalho missionário com os índios e a educação com a fundação dos colégios;
d) Os jesuítas não encontraram espaço para atuação na América portuguesa. Por esta razão se radicaram na América espanhola;
e) As atividades jesuíticas foram incrementadas após as reformas pombalinas.

Questão 70
(PUC-MG) São argumentos contra a permanência da escravidão que já estavam contidos no pensamento anti-escravista desde a primeira metade do século XIX no Brasil, EXCETO:
a) aviltamento do trabalho escravo, levando à desordem social.
b) incompatibilidade da escravidão com a moral cristã.
c) desagregação da sociedade, devido à perversão dos costumes.
d) caráter anti-econômico do escravismo.
e) preocupação com a integração do negro na sociedade.
Questão 71
(PUC-PR) Em relação à mão-de-obra escrava no Brasil Colônia, é correto afirmar:
a) A escravidão negra no século XVI foi predominante em São Paulo e no Paraná, onde a mão-de-obra escrava era utilizada no cultivo e produção do café.
b) No Brasil a colonização portuguesa, ao contrário da colonização espanhola, não recorreu à escravidão indígena.
c) Existiu tanto escravidão indígena quanto dos negros. A escravidão negra foi organizada em moldes empresariais e seu comércio garantia lucros para a metrópole.
d) A escravidão indígena foi substituída pela escravidão negra porque os indígenas não se adaptaram ao trabalho sistematizado no engenho de açúcar e no cultivo do café.
e) A escravidão negra foi restrita ao Nordeste no século XVI e às áreas de cultivo do café no século XIX.


Questão 72
(UERJ) O século XVIII foi marcado por inúmeras descobertas de ouro no Brasil, possibilitando um aumento da extração desse metal, como se observa na tabela abaixo.








Ano











Produção aurífera (Kg)
1699
725
1701
1785
1704
9000
1720
25000
1725
20000
Essas descobertas provocaram mudanças significativas na organização colonial, tais como:
a) recuperação agrícola do Nordeste e redução das atividades pastoris
b) estabelecimento da capital na cidade do Rio de Janeiro e incentivo às atividades urbanas
c) declínio da utilização de mão-de-obra escrava e ampliação do trabalho assalariado nas minas
d) superação da condição de colônia e elevação do Brasil à condição de Reino Unido a Portugal e Algarves

Questão 73
(UERJ) O Estado português reproduziu no Brasil duas feições metropolitanas, possibilitando uma permanente tensão entre as forças sociais dos poderes locais e as forças de centralização do absolutismo.
As instituições que exerciam a administração local e central no Brasil colônia eram, respectivamente:
a) vice-reinado e capitania hereditária
b) câmara municipal e governo geral
c) capitania geral e província
d) cabildo e capitania real

Questão 74
(UFRRJ) Durante o período colonial brasileiro, inúmeros tratados foram assinados entre Portugal e Espanha, tais como: o de Lisboa, o de Utrecht, o de Madri... Regulamentavam, a partir de então, as fronteiras e os interesses das Coroas Ibéricas.
As causas gerais da assinatura dos tratados do período colonial foram:
a) superação prática da linha de Tordesilhas e atrito entre colonos espanhóis e portugueses.
b) a fundação da colônia do Santíssimo Sacramento e utilização do princípio Uti possidetis.
c) necessidade dos portugueses constituírem uma via de acesso ao interior do Brasil, pelo rio da Prata.
d) necessidade de expulsar os Jesuítas da região dos Sete Povos da Missões.
e) a descoberta do ouro na região das Minas Gerais e a criação da Intendência das Minas.

Questão 75
(UFRRJ) "Coloquemo-nos naquela Europa anterior ao século XVI, isolada dos trópicos, só indireta e longinquamente acessíveis e imaginemo-la, como de fato estava, privada quase inteiramente de produtos que se hoje, pela sua banalidade, parecem secundários, eram então prezados como requintes de luxo. Tome-se o caso do açúcar, que embora se cultivasse em pequena escala na Sicília, era artigo de grande raridade e muita procura; até nos enxovais de rainhas ele chegou a figurar como dote precioso e altamente prezado."
PRADO Jr., Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo, Brasiliense,1961.
A colonização do Brasil, a partir do século XVI, permitiu à Coroa Portuguesa usufruir das vantagens trazidas pelas riquezas tropicais. Caracterizam a economia colonial brasileira:
a) o monopólio comercial, a monocultura de exportação, o trabalho escravo e o predomínio das grandes propriedades rurais.
b) o livre comércio, a indústria do vestuário, o trabalho livre e o predomínio das pequenas propriedades rurais.
c) o liberalismo econômico, o trabalho assalariado, a monocultura canavieira e o predomínio das grandes propriedades rurais.
d) o exclusivo colonial, o trabalho escravo, a exportação de ferro e aço e o predomínio das pequenas propriedades rurais.
e) o monopólio comercial, o trabalho assalariado, a produção para o mercado interno e o

Questão 76
(UFRRJ) Porcentagem de escravos africanos sobre total de escravos
População Escrava Província
Brasileiros
Africanos
Total
Africanos (%)
Alagoas
Amazonas
Bahia
Ceará
Espírito Santo
Goiás
Maranhão
Mato Grosso
Minas Gerais
Pará
Paraíba
Paraná
Pernambuco
33.364
966
157.543
31.811
20.397
10.512
73.198
5.631
342.514
26.908
21.341
9.822
84.477
2.377
13
10.281
102
2.262
140
1.741
263
27.945
550
185
738
3.084
35.741
979
167.824
31.913
22.659
10.652
74.939
5.894
370.459
27.458
21.526
10.560
87.561
6,7
1,3
6,1
0,3
10,0
1,3
2,3
4,5
7,5
2,0
0,9
7,0
3,5
Segundo os dados da tabela acima, podemos afirmar que
a) o pequeno percentual de escravos na província de Minas Gerais demonstra o esvaziamento econômico, criado pela decadência da atividade mineradora, durante todo o século XIX.
b) o pequeno percentual de escravos no Nordeste é explicado pela crescente atividade econômica, de base capitalista, na região, utilizando mão-de-obra assalariada.
c) o grande percentual de escravos na província do Rio de Janeiro, demonstra o grande afluxo de africanos, às vésperas da proibição do tráfico, para suprir as necessidades da lavoura cafeeira.
d) a escravidão africana nas províncias do Amazonas e Pará tem pouco peso na média nacional, dada a proibição da utilização da mão-de-obra escrava, imposta pelos jesuítas, desde o início da colonização.
e) o pequeno percentual de africanos na província de São Paulo deve ser entendida como reflexo da substituição da mão-de- obra escrava pela livre, desde o século XIX.

Questão 77
(UFRRJ) "É constatado que o tabaco é tão necessário para o resgate dos negros quanto os mesmos negros são precisos para a conservação da América Portuguesa. Nas mesmas circunstâncias se acham as outras nações que têm colônias, nenhuma delas se pode sustentar sem escravatura (...)"
Instruções ao Marques de Valença, governador da Bahia, em 10/9/1779, citado por VERGER,Pierre. Fluxo e Refluxo.
São Paulo, Corrupio, 1987.
A mão-de-obra de origem africana tinha papel fundamental na sustentação da economia colonial na América Tropical. No caso brasileiro, a principal atividade econômica sustentada pelo trabalho escravo, na época em que foram dadas as instruções acima, era
a) a extração das drogas do sertão que garantiam altos lucros aos fabricantes europeus de medicamentos.
b) a criação de gado bovino que sustentava, com a carne e o couro, outras atividades produtivas na Colônia.
c) a produção açucareira, base da economia colonial nos séculos XVI e XVII.
d) a extração mineral, apesar da diminuição da produção aurífera naquele período do século XVIII. 
e) a produção de fumo que servia tanto ao consumo europeu quanto à troca por mais africanos, conforme o próprio texto citado.

Questão 78
(UFRRJ) "Até agora não pudemos saber se há ouro ou prata nela, ou outra coisa de metal ou ferro; nem lha vimos.
Contudo a terra em si é de muito bons ares frescos e temperados como os de Entre-Douro e Minho, porque neste tempo dagora assim os achávamos como os de lá. (As) águas são muitas; infinitas. Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das águas que tem!
Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar. E que não houvesse mais do que ter Vossa Alteza aqui esta pousada para essa navegação de Calicute (isso) bastava. Quanto mais, disposição para se nela cumprir e fazer o que Vossa Alteza tanto deseja, a saber, acrescentamento da nossa fé!"
Carta de Pero Vaz Caminha ao Rei de Portugal em 1º /5/1500.
Seguindo a evidente preocupação de descrever ao Rei de Portugal tudo o que fora observado durante a curta estadia na terra denominada de Vera Cruz, o escrivão da frota cabralina menciona, na citada carta, possibilidades oferecidas pela terra recém-conhecida aos portugueses. Dentre essas possibilidades estão
a) a extração de metais e pedras preciosas no interior do território, área não explorada então pelos portugueses.
b) a pesca e a caça pela qualidade das águas e terras onde aportaram os navios portugueses.
c) a extração de pau-brasil e a pecuária, de grande valor econômico naquela virada de século.
d) a conversão dos indígenas ao catolicismo e a utilização da nova terra como escala nas viagens ao Oriente.
e) a conquista de Calicute a partir das terras brasileiras e a cura de doenças pelos bons ares aqui encontrados.

Questão 79
(UFRRJ) "1785
Cidade do México
Sobre a Literatura de Ficção na Época Colonial
vice-rei do México, Matias de Gálvez, assina um novo decreto a favor dos trabalhadores índios. Receberão os índios salário justo; bons alimentos e assistência médica; e terão duas horas de descanso, ao meio dia, e poderão mudar de patrão quando quiserem."
Galeano, Eduardo. As Caras e as máscaras. Rio, Nova Fronteira, 1985. p.107.
autor procura ironizar com o título dado ao texto as práticas desenvolvidas pelos espanhóis na América, já que
a) os indígenas trabalhavam legalmente como escravos dos espanhóis sendo falsa a idéia de "salário justo" e "boas condições de vida e trabalho".
b) apesar das várias legislações sobre o assunto, ocorria, na prática, uma superexploração do trabalho indígena sob os regimes da mita ou da encomienda.
c) a situação dos indígenas americanos era, na época, bem melhor do que propunha o decreto do vice-rei do México pela pressão exercida a favor deles pela Igreja Católica.
d) os índígenas não podiam nunca mudar de patrão pois este sempre fora o rei da Espanha, que não abria mão dessas prerrogativas.
e) o decreto não tinha razão de ser, pois os indígenas mexicanos tinham sido completamente dizimados pela conquista e pelo trabalho de exploração mineral no século XVI.

Questão 80
(UFRN) A implantação do sistema colonial transformou as relações amistosas existentes entre indígenas e portugueses no início da ocupação do Brasil.
Essa transformação se deveu à
a) grande inabilidade dos indígenas para a agricultura, recusando-se a trabalhar nas novas plantações açucareiras, atitude que desagradou aos portugueses.
b) crescente ocupação das terras pelos portugueses e à necessidade de mão-de-obra, levando à escravização dos índios, que reagiram aos colonos.
c) importação de negros africanos, cuja mão-de-obra acabou competindo com a dos indígenas, excluindo estes do mercado de trabalho agrário.
d) introdução de técnicas e instrumentos agrícolas europeus nas aldeias indígenas, desestruturando a economia comunal dos grupos nativos.
Gabarito: 1-d 2-b 3-c 4-a 5-d 6-c 7-d 8-e 9-a 10-b 11-c 12-c 13-d 14-e 15-b 16-a 17-c 18-c 19-e 20-b 21-a 22-c 23-a 24-d 25-c 26-b 27-a 28-d 29-b 30-e 31-b 32-c 33-e 34-b 35-d 36-c 37-a 38-b 39-b 40-b 41-c 42-c 43-d 44-e 45-d 46-b 47-a 48-d 49-b 50-c 51-d 52-b 53-b 54-c 55-d 56-e 57-a 58-d 59-d 60-a 61-c 62-a 63-b 64-c 65-c 66-d 67-e 68-b 69-c 70-e 71-c 72-b 73-b 74-b 75-a 76-c 77-d 78-d 79-b 80-b


5 comentários:

Anônimo disse...

faltou a questão 22

Anônimo disse...

Muito obrigado!! >D

Camila disse...

Tenho apenas 12 anos, e estou estudando para isso. Tenho que me prepara logo de hoje para o meu futuro. Obrigada, ajudou bastante ! :D

Anônimo disse...

A questão 44 tem no gabarito a letra "e", gostaria de entender em que sentido se poem fim do monopólio português?

Prof. Guedes disse...

E)queda do preço do açúcar nos mercados internacionais, concorrência antilhana, fim do monopólio português.

A queda do preço do açúcar se deveu a entrada do açúcar das Antilhas (produção holandesa), que colocou um fim no monopólio português do comércio de açúcar. Durante muito tempo Portugal tinha o know-how da produção do açúcar de cana, porém a invasão holandesa no NE brasileiro propiciou a estes tal conhecimento e uma vez expulsos do Brasil, aportaram nas Antilhas e iniciaram ali sua produção, com menor custo e transporte mais barato (o hoje chamado CUSTO BRASIL, já era alto naquele tempo). O fim do monopólio se refere ao Comércio Internacional do Açúcar.